Análise: Sem crise financeira ou excesso de austeridade, razão do rebaixamento em 2021 não está no desequilíbrio das finanças e sim nas escolhas equivocadas do departamento de futebol

As finanças do Grêmio em 2021: com contas equilibradas e investimentos crescentes, razão para queda não está no balanço


Fonte: globoesporte.com

Mesmo sem enfrentar crise financeira ou bagunça generalizada em sua gestão – motivos frequentes para rebaixamentos de grandes clubes –, o Grêmio caiu para a segunda divisão em 2021 e condenou o trabalho da administração inteira, sob liderança de Romildo Bolzan Júnior.

Nunca esteve tão evidente como, no futebol, departamentos diferentes podem chegar a resultados discrepantes. Financeiro e futebol, principalmente. Quem olha apenas para os números não consegue imaginar que o desfecho da temporada, em campo, seria tão ruim.

No fim das contas, não importam tanto os bons indicadores financeiros. Se o time perde, e o ano acaba em rebaixamento, muita coisa deu errado na gestão. Neste caso incomum, portanto, a leitura se interessa não por saber se as finanças prejudicaram o futebol, e sim por entender por que houve o fracasso esportivo, apesar do balanço no azul.

Faltou investimento? Houve excesso de austeridade? Como o clube estava posicionado, financeiramente, em relação a adversários? Neste texto, com base nas demonstrações contábeis de 2021, o ge tenta esclarecer ao torcedor como as finanças interferiram no campo.

Panorama
O primeiro degrau, na análise das contas gremistas, coloca em paralelo o faturamento (tudo o que foi arrecadado em cada ano) e o endividamento (o que havia a pagar no fim de cada exercício).

De cara, é possível notar que o Grêmio mudou uma tendência. O clube havia reduzido suas dívidas a um patamar proporcionalmente baixo, próximo dos R$ 250 milhões, enquanto a receita havia parado por volta dos R$ 400 milhões. O cenário era positivo e animador, nesse sentido.

Em 2021, a arrecadação voltou a dar um salto – explicado em partes por uma questão contábil, e não por um crescimento de fato. Mais importante, o endividamento aumentou sensivelmente em relação ao que estava em aberto ao fim de 2020. Algo coisa aconteceu na virada.

Receitas
A principal receita de qualquer clube de futebol está nos direitos de transmissão e nas premiações, oriundas também da televisão de competições em mata-mata. O Grêmio não é diferente.

Existe uma ressalva importante. Como o Campeonato Brasileiro de 2020 só terminou em 2021, parte relevante de seus pagamentos foi contabilizada como receita do exercício seguinte. O balanço tricolor mostra R$ 64 milhões no ano retrasado e R$ 158 milhões no passado.

A consequência prática disso é que a receita de 2020 ficou abaixo do que deveria, enquanto a de 2021 foi artificialmente elevada. Prática comum a todos os clubes. É importante ter esse detalhe em mente ao avaliar o crescimento da receita gremista entre esses dois exercícios fiscais.

No mais, o desempenho do Grêmio na Copa do Brasil (quartas de final) e na Libertadores (terceira fase) tirou outra parte significativa do faturamento. Ambas as premiações despencaram no último balanço.

Na área comercial e de marketing, em que contam patrocínios, publicidades e licenciamentos, o Grêmio vem de sólido crescimento nos últimos cinco anos. Não há o que criticar.

Receitas ligadas à torcida se limitam à associação, pois as bilheterias da Arena do Grêmio ainda não chegam ao caixa do clube – o estádio é administrado por uma empresa separada. Mesmo que chegassem, a pandemia prejudicou essa linha de arrecadação em todo o país.

Nas transferências de atletas, está um ponto forte. Pelo quarto ano consecutivo, a receita com vendas passou dos R$ 100 milhões. As saídas de Pepê, Diego Rosa, Matheus Henrique e Ruan foram as maiores entre os R$ 158 milhões líquidos (após descontos de terceiros).

Orçado versus realizado
A jornada financeira do Grêmio em 2021 também pode ser analisada por meio da comparação entre orçamento (o que a diretoria planejava antes de a temporada começar) e balanço (com resultados).

Na arrecadação, não houve problemas. A receita com sócios ficou um pouco abaixo do projetado, mas essa frustração foi compensada, com sobras, por todas as outras, em especial pelos atletas.

Entre os gastos, o ge separa a folha salarial do futebol – combinação de salários, direitos de imagem, encargos trabalhistas e premiações. Este é o item que costuma ter maior correlação com resultados em campo, pois reflete a qualidade do elenco. O Grêmio, bem, abriu uma exceção.

Em 2021, a diretoria tricolor gastou muito mais do que havia planejado. No total, foram R$ 227 milhões aplicados. A sexta maior folha do país, muito próxima da que teve o Corinthians.

No resultado financeiro, constam juros sobre dívidas, variações cambiais e outros itens não esportivos. As finanças em ordem evitam que se perca muito dinheiro nesse sentido.

E o resultado líquido aponta para superavit (lucro) ou deficit (prejuízo). O clube gaúcho terminou o ano com as contas no azul, ponto timidamente positivo. Tímido, porque não chega a ser o indicador econômico mais importante, nem ele se sobrepõe ao que ocorre em campo.

Dívidas
No endividamento, o detalhamento começa pelo prazo. Durante os mandatos de Romildo, o Grêmio conseguiu reduzir muito os valores que deveriam ser pagos no curto prazo (em menos de um ano). Era um dos pontos positivos, pois havia cada vez menos pressão sobre o caixa.

Em 2021, a associação tomou a decisão de aumentar as suas dívidas, principalmente as de curto prazo. Havia R$ 158 milhões a pagar no último dia de dezembro, valor que será cobrado pelos credores gremistas no decorrer de 2022. Ainda não é um valor preocupante, mas ele aumentou.

No longo prazo, também há R$ 158 milhões. Uma coincidência, que deixa o endividamento em proporções iguais. Essas obrigações serão exigidas em período superior a um ano, portanto a partir de 2023.

O que aumentou, considerando a natureza de cada dívida? Entre empréstimos bancários e financiamentos, houve pequeno aumentou, pois o Grêmio pegou R$ 20 milhões com o Banrisul. Este valor se divide em curto e longo prazos, com última parcela em dezembro de 2023.

O maior crescimento, no entanto, está no que o balanço descreve como "contas a pagar por compra ou empréstimo de atletas". O clube havia terminado 2020 com R$ 21 milhões a pagar nessa linha, e ao término de 2021 essa dívida subiu para R$ 69 milhões.

Este é o sinal para uma mudança de estratégia que não surtiu efeito algum. No ano em que decidiu comprar direitos de novos atletas, elevando seu endividamento, o Grêmio foi rebaixado.

No gráfico abaixo, as dívidas trabalhistas incluem valores correntes (que dizem respeito à própria temporada) e aqueles que estão sendo cobrados por ex-jogadores, ex-técnicos e ex-funcionários em ações judiciais. O passado responde por apenas 44% do total, nessa coluna específica.

Em "outros", estão fornecedores, clubes e agentes. Esta é a parte que foi puxada para cima pelas aquisições feitas para reforçar o futebol, principalmente, entre direitos de atletas e comissões.

Futuro
Pragmaticamente, cabe ao Grêmio voltar para a primeira divisão o mais rápido possível, também pelo aspecto financeiro, pois direitos de transmissão serão recuperados. Mas isto é obviedade. Mais importante é tirar lições da queda em 2021, pois este não foi um descenso comum.

Não faltou dinheiro. Faz tempo que os indicadores econômicos tricolores estão entre os melhores do país: receitas crescentes, gastos sob controle, endividamento gradativamente reduzido.

Nem faltou investimento. Só no ano passado, saíram do caixa gremista R$ 93 milhões para comprar direitos federativos e econômicos de atletas – fora o que ficou parcelado, para pagar nos anos seguintes. Claramente, o problema não foi falta de ambição, e sim a aplicação desses recursos.

Essa circunstância já afasta o Grêmio de 2021 de outros fracassos históricos, como o descenso de 2002. Na época, a associação apertava as suas contas em uma austeridade desvairada, posterior à parceria com a ISL. Naquela época, faltava dinheiro, investimento e elenco. Agora, não.

A análise da folha salarial é a mais importante, nesse sentido. Com R$ 227 milhões gastos – repito: a sexta maior do país –, era de se esperar que o time fosse ficar na parte de cima da tabela no Brasileirão de 2021, lutando pela classificação direta para a Libertadores de 2022.

Ou seja, houve ineficiência em todos os aspectos: nas contratações e nos salários. Fez pouco ou nada com muito dinheiro. E a responsabilidade recai totalmente sobre o departamento de futebol.

Remoer as memórias sobre este ou aquele jogador do elenco rebaixado, tal decisão do árbitro, nada disso adianta. O Grêmio precisa rever toda a sua governança, em particular do futebol, para compreender o que deu errado. Houve interferência amadora? A montagem da comissão técnica se baseou em quê? Como foram escolhidos os atletas? Perguntas que as demonstrações contábeis infelizmente não respondem.

VEJA TAMBÉM
- Talvez a derrota tenha sido boa - Denis Abrahão revolta os torcedores com nova declaração controversa
- Parte da torcida gremista não perdoa derrota para o CRB e volta a pedir a cabeça do técnico após 17 jogos de invencibilidade
- Grêmio terá apenas 2 zagueiros de ofício disponíveis no elenco para o duelo contra o Cruzeiro





Comentários



Ricardo baroni     

Diretoria q nao entende futebol deu nisso toecedores avisaram

Enviar Comentário

Para enviar comentários, você precisa estar cadastrado e logado no nosso site. Para se cadastrar, clique Aqui. Para fazer login, clique Aqui.

Leia também

14/8/2022











13/8/2022






PROVÁVEL ESCALAÇÃO - 16:23 (0)

Veja o provável Grêmio para o jogo de logo mais