Opinião do Presidente da CBF sobre proposta de imunidade contra rebaixamento no Gauchão


Fonte: -

Opinião do Presidente da CBF sobre proposta de imunidade contra rebaixamento no Gauchão

Ednaldo Rodrigues, presidente da Confederação Brasileira de Futebol (CBF), afirmou que irá acatar a decisão dos clubes sobre a paralisação do futebol brasileira por conta da tragédia envolvendo o Rio Grande do Sul nos últimos dias. Em entrevista ao Ge , o dirigente, no entanto, afirmou que irá expor aos clubes o contraponto que uma paralisação no calendário geraria. "Primeiro, reitero sempre a nossa solidariedade a todo o povo do Rio Grande do Sul, por tudo o que está passando. Sobre o pedido de paralisação, é interessante que possamos ouvir todos os clubes para definir. Isso envolve calendário, classificação para as competições sul-americanas e até a Intercontinental, caso um clube brasileiro ganhe a CONMEBOL Libertadores . Não é tão fácil assim. Mas somos todos democráticos. Depois de colocar todos esses pontos para que eles definam, não tenho como ficar contrário [aos clubes] porque nossa gestão é democrática. Vamos mostrar o contraditório dessa paralisação, mas vamos respeitar a decisão dos clubes."

Sobre a possibilidade de ser criada uma medida protetiva a Grêmio , Internacional e Juventude , clubes afetados pela tragédia, como por exemplo evitar o rebaixamento dos três, Ednaldo se mostrou contrário. "Essa teoria eu não concordo. De imediato eu rechaço. Quando se faz uma competição, se obedece leis e princípios. E as competições têm interdependência umas com as outras. Quatro clubes sobem de divisão, quatro são rebaixados. Quem tem o bônus também tem que ter o ônus. Não se pode dizer "[um time] não vai ser rebaixado" se [o mesmo time] puder ser campeão. Fere os princípios da moralidade."

Vale lembrar que qualquer paralisação a ser feita pela CBF só pode ser oficializada a partir de um Conselho Técnico envolvendo os participantes do Brasileirão . E esse encontro tem data marcada: 27 de maio. Posicionamentos oficiais, sejam eles a favor ou contra à paralisação, acontecem para pressionar a CBF e não tem poder decisivo até a reunião. A ESPN apurou que a entidade evitou tomar qualquer decisão antes do Conselho Técnico com receio de ações jurídicas daqueles que são contra a paralisação.

O que é necessário para que aconteça a paralisação? A definição para a paralisação ou não do Brasileirão acontecerá por meio de uma votação. Os 20 clubes vão expressar suas opiniões durante o Conselho Técnico. Para que aconteça uma definição, a 'maioria simples' em uma votação resolve. Ou seja, 11 votos são necessários para que a CBF acate o que for definido. No entanto, na visão da CBF, qualquer decisão também tem que levar em conta todas as séries do futebol brasileiro. Ou seja, a maioria dos votos da primeira divisão poderia resolver a divisão principal, mas não significa que resolveria a situação de outras series. Por ora, a entidade defende que somente uma decisão que tenha adesão de todas as divisões de masculino e feminino para paralisar o futebol faria sentido. A CBF não cogita parar uma divisão e manter outras. Vale lembrar que somente a Liga Forte União, representada por 11 clubes da primeira divisão, já é suficiente para que se chegue a um cenário necessário para uma posição.

A favor da paralisação: Atlético-MG Atlético-GO Athletico-PR Botafogo Criciúma Cruzeiro Cuiabá Grêmio Juventude Fluminense Fortaleza Internacional Vasco. Contra a paralisação: Flamengo Palmeiras



VEJA TAMBÉM
- Grêmio domina e goleia The Strongest no Couto Pereira: confira as notas.
- Grêmio domina no Couto Pereira, arrasa Strongest com golaços e renasce na Libertadores
- Onde assistir ao vivo o jogo de Grêmio x The Srongest pela Libergtadores






Comentários



Nenhum comentário. Seja o primeiro a comentar!

Enviar Comentário

Para enviar comentários, você precisa estar cadastrado e logado no nosso site. Para se cadastrar, clique Aqui. Para fazer login, clique Aqui.

Leia também

29/5/2024